Início
Bom Noite! - Hoje é Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Hora Certa; 04:31

Família tapuraense decide abandonar atividade no município

Publicado 26/07/2018 - 22:39 e atualizado 26/07/2018 - 22:42
Por: Redação

A falta de rentabilidade e os constantes prejuízos que se acumulam na suinocultura mato-grossense estão fazendo muitos suinocultores independentes a repensar sobre a continuidade ou não no ramo. Em Tapurah já é cogitado o abandono da atividade por vários produtores e um grupo familiar que trabalha com suínos a mais de oito anos já decidiu encerrar as atividades este ano e paralisou o processo de inseminação das matrizes este mês. A granja que produz, engorda e faz todo o processo de terminação de cerca de cinco mil suínos anualmente foi implantada em 2010 e emprega oito colaboradores diretos.

Conforme um dos sócios-proprietários da Granja Cabanha Galvan, Álvaro Galvan, a decisão de parar com a atividade foi motivada pelos prejuízos constantes acumulados. “Hoje, economicamente não existe o porquê de você continuar numa atividade em que precisa desembolsar dinheiro para mantê-la, tirar recursos de outra atividade que compõe o grupo familiar para tapar furo da suinocultura. Desde que estamos na atividade, de 2010 pra cá, a suinocultura teve anos bons para o setor, mas nos últimos anos não temos vendo viabilidade neste negócio”, relata.

Galvan ressalta que os insumos usados na suinocultura só aumentam, enquanto o preço do suíno é vendido muito abaixo do custo e o prejuízo é em torno de R$ 100 por animal terminado. “Hoje temos um custo alto para se manter na atividade, com farelo de soja custando cerca de R$ 1.300,00 a tonelada, a saca de milho em torno de R$ 20,00, custo de funcionários, energia elétrica e combustível subindo toda hora. Com isso a gente não consegue repor o recurso que tiramos de outra atividade e estamos trabalhando sempre com prejuízos. Então, a nossa decisão de parar foi simples, pelo motivo de não estar dando rentabilidade e temos oito colaboradores que serão dispensados na granja”, pontua.

Apesar de a família Galvan já ter decidido encerrar a atividade e ter parado com a parte de inseminação das matrizes, Álvaro ressalta que o trabalho na suinocultura na propriedade seguirá até o mês de março do próximo ano. “Nós temos animais com previsão de parto até dia 14 de novembro, e para se encerrar todo o processo vai até o mês de março e abril. O encerramento da atividade não é de imediato, até porque já temos muitos animais em processo de engorda e outros a nascer ainda”.

Álvaro Galvan afirma que dificilmente o grupo da família vai querer voltar a atividade futuramente, pois não vê perspectivas de melhora no mercado. Quanto a estrutura, o mesmo diz que poderá aproveitá-la em outra atividade da agropecuária, como no setor do leite. “Se no futuro o mercado sinalizar positivamente, a gente pode até pensar em voltar atrás, mas hoje não tem nenhum cenário que indique isso pra nós. Se tiver um reajuste de 50% no preço pago pelo suíno ao produtor, aí que vai começar a cobrir os custos de produção e, por mais otimistas que somos, não temos nenhuma perspectiva”, frisou.

 



Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link acima ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos deste site (Jornal Caiabis) estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral - LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Não reproduza esta matéria em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Jornal Caiabis, por escrito.



LEIA TAMBÉM






CADASTRE-SE

Você poderá receber nossos informativos e notícias importantes.

FORMULÁRIO DE CADASTRO

FALE COM A REDAÇÃO

Você tem alguma reclamação ou elogio, sugestão matérias ou informar um fato?

ABRIR UM CHAMADO


Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados

Este website foi desenvolvido e é hospedado por: